Rua: São Francisco Xavier, 75 - Tijuca - Rio de Janeiro, RJ
21 2234-2094 ou 21 2234-2095 / paroquiasfxavier@yahoo.com.br
Artigos e reflexões › 10/05/2013

Reflexão do Cardeal Odilo Scherer

“Qualidade de vida” é um conceito usado com frequência na linguagem corrente; nem sempre a sua compreensão é unívoca e coerente, mas, geralmente, faz referência à satisfação das necessidades básicas da vida e dos direitos fundamentais das pessoas.

Levar a vida “com qualidade” inclui, entre outras coisas, ter habitação, alimentação, saúde, educação, conforto e ganhos econômicos suficientes para uma vida confortável; ter esses quesitos, ou parte deles, em condições sofríveis, significa ter “baixa qualidade de vida”. Boa parte da população da nossa cidade e do Brasil ainda tem baixa qualidade de vida e enfrenta enormes dificuldades para ver a vida melhorar. Essa é uma aspiração justa.

Usemos, por analogia, o mesmo conceito para a dimensão religiosa, em que as coisas são parecidas. Boa qualidade de vida cristã e católica significa, certamente, uma fé firme, bem fundamentada e esclarecida, com boas oportunidades para nutrir essa fé e para expressá-la no testemunho do dia a dia. A boa qualidade de vida cristã inclui a participação na Missa dominical e a recepção regular dos sacramentos, a leitura da Palavra de Deus, a oração diária, a prática das virtudes humanas e cristãs, o empenho social na prática do bem e o esforço na transmissão da fé, contribuindo nisso com a Igreja inteira.

Outras questões ainda poderiam ser mencionadas como elementos de uma vida religiosa e cristã “com qualidade”. São os santos que levaram e levam a vida cristã mais elevada. Por isso, seu exemplo e testemunho nos estimulam a crescer na qualidade de vida cristã. A Igreja nos convida a olhar para eles e a imitar seus exemplos. Com eles, aprendemos a conhecer melhor a Deus e a trilhar seus caminhos.

A baixa qualidade de vida cristã é marcada pela carência dos elementos acima indicados; mais que carência, muitas vezes, também se trata do seu contrário: falta de fé, ignorância religiosa, pecado, vícios, distanciamento da Igreja, desleixo em cultivar e em expressar a fé. Muitas vezes, isso acontece porque as pessoas não têm acesso aos meios e às condições para cultivarem melhor a sua vida cristã e isso interpela a missão da Igreja e daqueles que a representam e são dela pastores e servidores. Outras vezes, porque as pessoas são pouco estimuladas e ajudadas a melhorar sua qualidade de vida religiosa. E quem tem pouca qualidade de vida na fé acaba não produzindo os frutos de vida cristã, dá testemunho pouco edificante ou até abandona a fé.

No Evangelho, Jesus usa várias comparações e parábolas para qualificar aquilo que, hoje, podemos qualificar como baixa qualidade de vida religiosa e cristã: é como um campo onde a erva ruim sufoca o trigo bom; é como a figueira estéril, sem frutos; é como o empregado preguiçoso, que não pôs a render o patrimônio que lhe foi confiado; é ser como o sal que perdeu a sua força, ou como sepulcros brancos e belos por fora, mas por dentro… Tantos outros ainda são os ensinamentos do Mestre em relação a uma fé mal vivida ou até negada.

O Ano da Fé leva a nos perguntarmos sobre a qualidade de vida na nossa Igreja. Deus conhece os corações e as intenções de cada um, e não cabe a nós fazer julgamentos sobre as pessoas, como só a Deus compete. Mas, se olhamos as coisas de maneira objetiva, precisamos confrontar-nos com uma difusa superficialidade religiosa e com uma qualidade de vida cristã preocupante; a começar do que é oferecido ao povo, como alimento e estímulo para o cultivo da fé e da vida cristã. Em nossas paróquias, organizações eclesiais e pastorais, os fiéis têm o direito ao alimento sólido e abundante para sua fé e às orientações necessárias para viver com frutos essa mesma fé.

Neste Ano da Fé, temos um “ano da graça do Senhor” a nos estimular para uma experiência renovada na fé e a um crescimento na vida cristã. E a Jornada Mundial da Juventude do Rio de Janeiro, em julho próximo, é uma ocasião única para que os jovens façam essa mesma experiência da fé e da vida eclesial. Temos muito para fazer para que a “vinha do Senhor” produza os frutos esperados… Deus nos quer fortes na fé, operosos na caridade e alegres na esperança. E isso se expressa por uma alta qualidade de vida cristã.

Por Cardeal Odilo Pedro Scherer – Arcebispo de São Paulo

Print This Post