Rua: São Francisco Xavier, 75 - Tijuca - Rio de Janeiro, RJ
21 2234-2094 ou 21 2234-2095 / paroquiasfxavier@yahoo.com.br

PASCOM apresenta o trabalho da Pastoral dos Surdos.

esp003No mês de agosto, a Pastoral da Comunicação (PASCOM), manteve contato com Laura Jane Messias Belém, que está desenvolvendo na Paróquia a Pastoral dos Surdos, com participação nas Missas dominicais das dez horas. Após conversa com nossa agente Zaira Lima, apresentamos o resultado desta agradável conversa, que oportunamente acontecerá com outras pastorais da paróquia. Vamos ao resultado do encontro e o que Laura Belém, nos falou sobre seu trabalho à frente da Pastoral.

 

PASCOM: Como surgiu a ideia de realizar este trabalho com os surdos?

Laura: Sou filha mais velha de pais surdos e a língua de sinais é minha língua tanto quanto a língua oral portuguesa.

A Igreja São Francisco Xavier acolheu a mim e aos meus pais, num período que precisei muito, pois ambos tiveram Alzheimer e um conforto espiritual era muito importante para todos nós. Como aprendi a ser católica com eles, sempre que podia, levava-os comigo às missas e outros eventos que aconteciam na igreja. Claro que sinalizava para eles, mesmo que não conseguissem manter a concentração ou quando seus pensamentos evadiam-se para lugares muito distantes. Padre Li foi uma das pessoas que valorizou muito a presença deles, e meu pai tinha por ele um carinho muito grande.

 

PASCOM: Como começou o trabalho na Paróquia?

Laura: Quando meus pais faleceram, senti que era hora de retomar o que fazia antes, ou seja, voltar a interpretar nas Missas, como fazia anteriormente noutra paróquia, onde também dei aulas de catequese durante um bom tempo; reativar o contato com a Pastoral de Surdos… A doença dos meus pais exigiu uma atenção maior a eles e muitas atividades tiveram que ser interrompidas e, interpretar as Missas, assim como assumir um compromisso de apostolado com a comunidade surda, foi uma delas. Procurei então o Padre Li e propus interpretar as missas aos domingos e ele autorizou a iniciativa.

 

PASCOM: Como foram surgindo às pessoas com deficiência?

Laura: A proposta era somente isso mesmo, interpretar… Fazer com que as pessoas surdas soubessem que nessaesp002 paróquia teriam acessibilidade à palavra de Deus e por elas mesmo surgir os dons, os talentos, as necessidades, como confessarem, organizarem-se em algum grupo de estudos, catequese, e outros.  Comecei mesmo sem ter surdos, como um convite a eles, preparando a comunidade de ouvintes na familiarização com essa língua que, para alguns ainda é uma espécie de mímica, para outros, uma forma de comunicação estranha, mas igualmente interessante. Avisei alguns amigos surdos e aos poucos eles foram chegando. Um chamava o outro. Mais uma vez, Padre Li foi fundamental nessa acolhida. Talvez o fato de ser de outra nacionalidade tenha cativado às pessoas surdas, além de seu jeito simpático e carinhoso, fazendo-os se sentirem extremamente identificados com ele, pois que os surdos não deixam de se sentirem ou serem tratados, como estrangeiros em seu próprio país.

 

PASCOM: Quais os desdobramentos a partir do trabalho inicial?

Laura: Oportunizar a compreensão do Evangelho por meio da interpretação em LIBRAS – (Língua Brasileira de Sinais), aprender um pouco mais das passagens bíblicas, o partilhar das leituras, são processos de evangelização, e agora, uma turma com cinco surdos se prepara para a 1ª Eucaristia, sendo que duas jovens, farão também a Crisma. Isso ainda não é possível a muitas pessoas surdas ou com deficiência auditiva, pela falta dessa mediação linguística, assim como no entendimento de que as pessoas surdas não são pessoas deficientes e sim, sujeitos linguísticos, capazes de compreenderem qualquer coisa que lhe é dita e principalmente que são também pecadoras. Muitos acham que os surdos estão isentos de pecados…

 

PASCOM: Há outro tipo de deficiente no grupo?

Laura: Gostaria de chamar a atenção também para as pessoas surdocegas, que é uma outra especificidade a qual, algumas pessoas surdas podem manifestar, que vem a ser uma perda neurosensorial de dois sentidos, e que se não fosse a língua de sinais sendo realizada em suas mãos – a língua de sinais tátil, não haveria outra maneira de lhes passar informações, o significado de uma vida com Jesus. Nós temos uma surdocega no nosso grupo.

 

PASCOM: Deixe uma mensagem aos paroquianos?

Laura: É isso… aos poucos o Senhor vem nos equipando de coragem e tenacidade.

Como me disse uma vez o Padre Li: “… que o meu cansaço aos outros descanse!

Amém!

Entrevista e fotos: PASCOM

Print This Post