Rua: São Francisco Xavier, 75 - Tijuca - Rio de Janeiro, RJ
21 2234-2094 ou 21 2234-2095 / paroquiasfxavier@yahoo.com.br

O Castelo de Xavier

O castelo de Xavier foi, originalmente, uma fortificação muçulmana do século IX e localiza-se no atual município de Xavier a 52 quilômetros da capital Pamplona. Lá  nasceu e viveu Francisco Xavier até os treze anos de idade, quando foi levado para Pamplona onde completou a primeira fase de seus estudos até então realizados em casa por professores particulares. Permaneceu  dois anos estudando no seminário local.

Quando as tropas do reino de Castela invadiu Navarra, Xavier tinha apenas seis anos de idade e, a partir de então passou a viver sozinho com sua mãe já que sua irmã mais nova casou-se e a outra era dama da rainha católica D. Isabel I de Castela e pelos bons serviços prestados teve autorização da rainha para ingressar no mosteiro da Descalças de Santa Clara em Gandia. Tornou-se freira e abadessa Clarissa e adormeceu em Cristo em 1533.   Seus dois irmãos seguiram a carreira militar e com a queda de Navarra e sua anexação ao reino de Castela, fugiram para Fuenterrabia evitando a condenação à morte. O castelo foi parcialmente destruído e as terras do castelo foram confiscadas; elas  representavam a renda da família pelo aluguel do pasto às caravanas na cobrança de 5 (cinco) soldos por cordeiro que lá permaneciam para descanso e recuperação até a jornada final. A derrota de Navarra foi um duro golpe para seu pai D. Juan de Jassu ouvidor do Conselho Real e embaixador extraordinário junto aos reis católicos Fernando e Isabel de Castela e que acabou morrendo de desgosto. Atendendo o apelo da viúva aos vencedores, o castelo foi demolido parcialmente. A partir de então, com o pequeno Francisco Xavier; ela não concordava que seu filho caçula fosse educado  pelos inimigos de Navarra.  A parte fortificada perdeu a muralha e o fosso que cercava o castelo foi aterrado, torres e portões de armas rebaixados e  a ponte elevadiça demolida. Com o tempo, o castelo passou por sucessivas reformas até chegar ao domínio da Casa de Villahermosa. No do século XIX foi iniciada a restauração interrompida com o inesperado falecimento do Conde de Guaqui em 1893. Os herdeiros reconheceram os direitos da viúva duquesa de Villahermosa e reiniciaram a restauração com ela ainda em vida. A duquesa doou o castelo para a Companhia de Jesus no início do século XX mediante a condição de manter o imóvel tal como recebido. O conjunto remanescente é constituído por quatro componentes, destacando-se a torre do Santo Cristo, o bastião,  a capela onde situa-se o crucifixo tardogótico com os murais representando a dança da morte e a torre de São Miguel onde situa-se o museu dedicado à vida do santo. Muitos de nossos irmãos paroquianos já tiveram a oportunidade de visitá-lo nas caravanas conduzidas pelo nosso pároco. Na sua terra natal o santo padroeiro de Navarra e nosso patrono é celebrado no início de março com uma peregrinação conhecida como “Xaveirada”.

Origem do Castelo de Xavier

Em 824 o rei Pepino ordenou o conde de Vascónia marchar contra Navarra. Aznar (conde de Vasconia)  conquistou a província e tratou os vencidos com toda a moderação, ganhando a estima do povo vencido que tentara fazê-lo rei, apesar de inimigo. Aznar, por gratidão a Pepino, rejeitou a coroa mas face a insistência do rei, aceitou o título de conde de Navarra. Quando o conde morreu em 837 seu filho sucedeu-lhe no título, mas seu filho mais novo acabou sendo proclamado rei em 880 e dele resultou  muitos ramos e, como era comum à época, uniram-se às casas soberanas da Espanha. O rei de Navarra não desejando que se extinguisse a dinastia com d. Maria de Azpilcueta  de Aznarez y Xavier, única e rica herdeira, determinou que D. João de Jasso seu marido, acrescentasse  ao seu nome e às suas armas os nomes e as armas dos Azpilcuetas e dos  Xavier. Esse casamento, por contrato, deveria prover muitos filhos e Deus abençoou generosamente esta união, destacando-se entre eles a abadessa Madalena e Francisco  co-fundador da Companhia de Jesus.

Enquanto os diferentes reinos disputavam entre si, os mouros que iniciaram a invasão da Península Ibérica no ano  de 711 foram se apoderando da Espanha e só se retitaram em 1492 dominando a península por quase 800 anos.

A fortaleza de Xavier situava-se na margem esquerda do rio Aragão sendo fruto da doação do rei Afonso I rei de Aragão e Navarra. Enquanto o rei combatia os mouros, Urraca ( rainha de Leão e Castela ) exilou a família Aznarez no condado de Urgel  no ano 1110 livrando-se do censor inoportuno. Afonso I ao regressar chamou a família Aznarez para recompensar a perda de consideráveis propriedades que haviam sido forçado a abandonar em Castela, encheu-o de bens e honras e deu-lhe terras e fortalezas ao norte de Aragão. Esta fiel descrição demonstra que  a família de S. Francisco Xavier possuía desde trezentos anos o castelo em que ele nasceu.

Colaboração: Ubirajara de Carvalho (Membro do Apostolado da Oração)

Print This Post