Rua: São Francisco Xavier, 75 - Tijuca - Rio de Janeiro, RJ
21 2234-2094 ou 21 2234-2095 / paroquiasfxavier@yahoo.com.br

Infidelidade do povo perante Deus

Muitos povos parecem perdidos quando enfrentam pesados momentos em suas vidas. O verdadeiro teste para uma nação não é sobreviver as crises mas ter condições de faze-lo com conhecimento para que perdure as soluções e assim transmitir aos descendentes nossas experiências, valores, limites,  fé e história. O bom exemplo que vem de Guarulhos é significativo.  Trata-se de  um  rapaz humilde que sonha grande; Edu Lyra ex favelado, filho de uma diarista e um ex presidiário tornou-se um importante   empreendedor ao fundar em 2011 a Gerando Falcões e conseguindo o apoio da sociedade e empresariado paulista. Seu sonho será  atender 7 000  favelas do Brasil e aprender como atravessar fronteiras. A tragédia que vivenciamos com a expectativa de 200.000 mortos,  permanecerá em nossa memória como o descaso da política social que ofende o Soberano. Uma lição para nossos governantes não esquecer, há que extirpar de nosso meio toda a forma de privilégio, corrupção, soberba que ainda faz parte de nossa cultura como verificamos, recentemente, na abordagem em Santos do desembargador e o fiscal, a fim de viver com lealdade perante o Criador. Quando tudo parece vencido, Deus vem e salva todos, mas castiga para ensinar. Tem sido assim por gerações com a maioria que não cultivam a memória e a história do Brasil. Sofrem todos por não conseguir salvar a si próprio e a nação. Estamos sendo mal conduzidos e, provavelmente, encerraremos o ano com este funesto resultado. Por sermos um país novo e contermos uma diversidade de povos e crenças de diferentes origens, aceitamos em nosso cadinho culturas da mais diversas, índoles boas e ruins, crentes e agnósticos. Os que buscam a Deus geralmente se afastam do material para se voltar ao espiritual.  A tragédia que vivenciamos permanecerá  em nossa memória como o descaso da política social que ofende a Deus. Uma lição para nossos governantes não esquecer, há de extirpar em nosso meio toda forma de privilégio, corrupção e adultério que ainda faz parte da cultura como verificamos, recentemente, na abordagem em Santos  do desembargador e o fiscal, a fim de viver com lealdade perante o Criador. Honrar pai e mãe, não matar, não roubar, não corromper o sistema de justiça, ou seja, viver com obediência, lealdade e reverência com a sua própria fé. Mas nem tudo está perdido, resta-nos os poucos exemplos de solidariedade dada por pessoas de bem e empresas líderes que tem agido sem descanso em prol do próximo nessa epidemia.

Viver permanentemente apagando incêndios não é solução duradoura pelo alto valor das vidas perdidas; a praga de Marselha de 1720, a cólera da  Idade Média de 1820, a gripe espanhola de 1920, a febre amarela e a varíola de 1920, bem como o coronavirus de 2020 parece que não serviram de exemplo. Nas sociedades totalitárias a violência age de forma desenfreada;  necessitamos fugir dessa prática, adotando um código de moralidade e conduta, combatendo o mal para afastar o que não é de Deus; viver nas comunidades e nos bairros suburbanos onde a milícia impera, pagando menos pelo “gato” na instalação elétrica e raptando a assinatura de TV, utilizando gás e segurança patrimonial de fontes clandestinas  só trás sofrimento e dor, jogando para a sociedade organizada e produtiva a responsabilidade de corrigir as deficiências de uma má distribuição de riqueza que perdura gerações.  A endemia é também fruto do comportamento de quem nos dirige; ao enfrentarmos a corrupção de maneira tíbia, escondemos do Soberano a nossa determinação verdadeira e acabamos fragilizando as instituições, subvertendo a hierarquia que existe dentro delas. Vamos agir rápido, escolhendo com cuidado nas próximas eleições,  para evitar que o Rio de Janeiro de nossos dias e as demais capitais do país se transformem na  Chicago dos anos trinta, obrigando-nos a ser desonestos com o sofrimento de  Cristo e continuar escondidos dentro de casa, como nesta quarentena,  para não morrermos de um tiro perdido.

Só Deus salva este país do pior.

 

Colaboração: Ubirajara de Carvalho (Membro do Apostolado da Oração)

Print This Post