Rua: São Francisco Xavier, 75 - Tijuca - Rio de Janeiro, RJ
21 2234-2094 ou 21 2234-2095 / paroquiasfxavier@yahoo.com.br
Artigos e reflexões › 03/06/2013

Peregrinar no deserto

Vivemos no mundo de muita pluralidade. Não poucas propostas e atitudes nos remetem ao deserto, parecendo infrutíferas e até de efeito venenoso no que se refere a valores humanizadores. O diálogo com elas parece também sem grande efeito. Mas, qual enxerto em galho selvagem, com adubo na planta e poda de ramos inúteis, pode haver esperança de reversão. É o trabalho da fé que até remove montanhas.

O desânimo não pode acontecer para quem tem a graça da fé sobrenatural em Deus e na pessoa de seu Filho, bem como na ação do Espírito Santo. A evangelização não se faz impondo algo, mesmo de valor, como a fé. É realizada com alegria de vivê-la, de testemunhar na prática a razão da mesma, com a consequente vida de amor e do bem aplicado ao semelhante. Leva à convicção da vivência da ética e do trabalho em benefício da comunidade, especialmente aos deixados de lado na vida digna. O diálogo, a amizade, a fraternidade e a proposta feita na simplicidade, o serviço prestado, a visita e a boa acolhida têm mais chance de dar resultados. A fé não visa em primeiro lugar o arrebanhamento ou o sectarismo e sim, acima de tudo, o bem à pessoa, com a proposta de vida apresentada por Jesus.

Não basta a pessoa dizer-se religiosa e fazer alguns atos de manifestação da religiosidade. É preciso viver a fé entusiasta, coerente, perseverante e de encantamento no seguimento a Jesus Cristo e na prática de seus ensinamentos. Muitos querem uma religião “ligth”, ou seja, que venha de acordo com suas conveniências e, até, mesmo, mudando as exigências e os ensinamentos divinos contidos na Bíblia e no ensinamento dos Apóstolos. Não nos basta dizer não. É preciso saber dizer os porquês e mesmo apresentar os motivos de Cristo, que ensinou o caminho que leva à vida plena e é mais exigente e de caminho mais estreito. Além disso, é preciso também compreender que nem todos têm a mesma velocidade no caminho da fé. Jesus, apesar de apresentar o ideal mais elevado, como a de sermos perfeitos como o Pai, foi profundamente misericordioso e pedagógico. Ele ensina que nem todos têm a capacidade de compreensão. Mas ensina a não se pecar mais e rejeitou os que, propositalmente se opunham a Ele e ao que Ele ensinava. Muitos não o seguiram mais depois que Ele desafiou sua anti-fé: “A partir desse momento, muitos discípulos voltaram atrás, e não andavam mais com Jesus” (Jo 6,66).

No meio de tanta aridez somos convidados a apresentar Jesus e seu caminho para as pessoas perceberem que a fé é conveniente e de grande ajuda para o ser humano acertar com seus desejos mais profundos de realização humana. Nessa perspectiva, muitos se enganam com os ídolos da autossuficiência, da absolutização da matéria, da busca de conforto a todo custo e do endeusamento do próprio orgulho e desejo de superioridade. Jesus propõe o caminho que leva ao tesouro escondido. Ele recrimina os falsos pastores ou mercenários. Ele se confirma como o verdadeiro Pastor, que busca até a ovelha perdida. A fé nele não decepciona, como muitos líderes humanos que enganam o povo e rouba as ovelhas. Ele prova a consistência da fé em quem acredita na sua pessoa. Sua ressurreição basta para basear totalmente nossa fé.

Por Dom José Alberto Moura, CSS – Arcebispo Metropolitano de Montes Claros (MG)

Tags:
Print This Post