Rua: São Francisco Xavier, 75 - Tijuca - Rio de Janeiro, RJ
21 2234-2094 ou 21 2234-2095 / paroquiasfxavier@yahoo.com.br

O homem desafiando o criador

A violência que impera no país e nos impede de sair com tranquilidade de nossos lares, ir e voltar do trabalho, presenciando assaltos à mão armada, feminicídios, abordagem a motoristas nas cidades e estradas, queima de ônibus urbanos, roubos de carga em caminhões, furtos de fios de cobre em ruas, ferrovias e metrôs, 4.000 tampas de ferro fundido roubadas dos logradouros, 5.000 lixeiras plástica destruídas, assaltos a postos de pedágio, de bancos e de depósitos de empresas de transporte de valores e, por último, a derrubada de mais de 60 postes com placas de energia solar na rodovia do Arco Metropolitano do Rio de Janeiro, nos leva a refletir sobre a enorme distância que separa o homem do Criador.

O que seria isso resultante? A mera desobediência à hierarquia? O prazer de desafiar? A revolta levada às últimas consequências? Roubo para faturar adiante? A certeza da impunidade? O desprezo à sociedade, ao próximo e ao bem público? O abandono do temor a Deus?

São muitas as interrogações e todas elas sujeitas à meditação, pois de homens que nada esperam do mundo tudo pode o mundo esperar. Não cabe dúvidas, não podemos acusar apenas a pobreza extrema e a má distribuição de renda. Os malfeitos são frutos do descaso do próprio Estado, ausente em todas as áreas básicas da nação.

A total ausência de Deus nas mentes desses malfeitores vão tomando conta de nossa nação já enferma. A conclusão de que o exemplo vem de cima onde reina uma casta de poderosos com seus feudos, não cabe mais, pois somos responsáveis por aqueles que elegemos. Sem educação de massa não há salvação, pois, o chão é a lixeira da nação, haja visto as ruas, praças, parques, jardins e rios do país.

Aos dirigentes, que parem de procurar riquezas injustas que de nada servirão no dia do castigo e da escuridão.[1]Sem profetizar, cito:

Para mim, talvez não haja mais tempo, mas espero que existirá para meus filhos e netos recordarem que Deus flexiona e dobra as leis da Natureza segundo a sua vontade, pois nem tudo está perdido.

Colaboração: Ubirajara de Carvalho (Membro do Apostolado da Oração)

[1] Eclesiástico 5,10

Print This Post