Rua: São Francisco Xavier, 75 - Tijuca - Rio de Janeiro, RJ
21 2234-2094 ou 21 2234-2095 / paroquiasfxavier@yahoo.com.br

A demonstração de saudade

Nau Flor de la Mar modifiedO desenvolvimento das técnicas náuticas fez de Portugal o polo irradiador da expansão marítima pelo mundo civilizado e conhecido da época, desde o fim do século XV e até o final do século XVI.  Foi neste ambiente que, a partir de maio de 1542 Francisco Xavier mergulhou na missão de evangelização por todo o Oriente. Humilde por formação, procurou não difundir ser o Núncio Papal, reservando para si ser apenas o sacerdote missionário, amado por todos os lugares onde evangelizou. E, já no final de sua missão, teve conhecimento de sua nomeação como provincial, somente 25 meses depois. Sua gratidão ao rei de Portugal D. João III foi permanente e jamais esqueceu que, sem o apoio maior, não poderia estender sua missão por todo o Oriente. Utilizava de todos os barcos de bandeira portuguesa, militares e mercantes, incluindo a saudosa nau Santa Cruz de Diogo Pereira que resgatou seu corpo da ilha de Sanchoão.

Após sua morte, seu corpo santo foi transferido para Goa e a nau Santa Cruz, a preferida do santo, navegou pelos mares do Oriente durante mais 25 anos. Ela recordava o jesuíta que tanto navegou em seu bojo e se tornou uma lenda viva; em todos os portos onde ancorava e os mares onde se avistava ela era saudada com um tiro de canhão e o grito “ viva o Santo Padre”; era a lembrança que apertava o coração dos embarcados.

Colaboração: Ubirajara de Carvalho (Ministro Extraordinário da Sagrada Comunhão e Membro do Apostolado da Oração).

Print This Post